"Brasil, o “campeão mundial de acidentes de trabalho”: Controle social, exploração e prevencionismo durante a ditadura empresarial-militar brasileira"

Ana Beatriz Ribeiro Barros Silva

Resumo


A supressão das liberdades civis e políticas, o arrocho salarial e o declínio do poder aquisitivo dos salários dos trabalhadores brasileiros constituíram-se como elementos fundamentais da política econômica da ditadura militar brasileira instalada em 1964. Como estratégia de sobrevivência, os trabalhadores foram pressionados a submeterem-se ao cumprimento de horas extras, muitas vezes em condições de trabalho degradantes. O aumento da produtividade veio acompanhado do crescimento exponencial dos índices de acidentes e doenças do trabalho durante esse período. Este artigo objetiva analisar como o tratamento conferido pela ditadura a essa questão revela o caráter de classe do golpe e do regime.


Palavras-chave


Acidentes e doenças do trabalho; Ditadura militar brasileira; Segurança e saúde do trabalho

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e Oposição no Brasil (1964/1984). Bauru, SP: Edusc, 2005.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

COHN, Amelia; HIRANO, Sedi; KARSCH, Ursula S.; SATO, Ademar K. Acidentes do trabalho: uma forma de violência. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CORRÊA, Larissa Rosa. “Os ‘inimigos da pátria’: repressão e luta dos trabalhadores do Sindicato dos Químicos de São Paulo (1964-1979)”. Revista Brasileira de História, São Paulo: v. 34, nº 67, pp. 13-37, 2014.

DABAT, Christine Rufino. Moradores de engenho: Relações de trabalho e condições de vida dos trabalhadores rurais na zona canavieira de Pernambuco, segundo a literatura, a academia e os próprios atores sociais. 2ª edição revisada. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2012.

DIEESE. Dez anos de política salarial. Estudos Socioeconômicos, nº 3, ago. 1975.

DWYER, Tom. Vida e morte no trabalho: acidentes do trabalho e a produção social do erro. Campinas: Editora da Unicamp; Rio de Janeiro: Multiação Editorial, 2006.

FALEIROS, Vicente de Paula. O trabalho da política: saúde e segurança dos trabalhadores. São Paulo: Cortez, 2010.

FIGUEIREDO, Jorge Duprat. “Acidentes de trabalho e sua influência nas empresas do país”, Caderno Econômico. São Paulo: Fiesp/Ciesp, n. 119, 1971.

GOMES, Ângela de Castro; SILVA, Fernando Teixeira da. (Orgs.). A Justiça do Trabalho e sua história. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

HENNIGTON, Elida Azevedo. "Saúde e trabalho: considerações sobre as mudanças na legislação acidentária brasileira e sua influência sobre a classe trabalhadora". (Dissertação de Mestrado em Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, 1996).

HUMPHREY, John. Fazendo o “milagre”: controle capitalista e luta operária na indústria automobilística brasileira. Petrópolis: Editora Vozes em coedição com CEBRAP, 1982.

IANNI, Octavio. Estado e Planejamento Econômico no Brasil. 5ª edição. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1991.

MACHADO, J. M. H. e MINAYO GOMES, C. “Acidentes de trabalho: concepções e dados”. In:

MINAYO, Maria Cecília S. (org.). Os muitos brasis: saúde e população na década de 80. São Paulo: Hucitec; Rio de Janeiro: ABRASCO, 1995.

MATTOS, Marcelo Badaró. “Os trabalhadores e o golpe de 1964: um balanço da historiografia”. História & Luta de classes. Ano 1, nº 1, Abr./ 2005.

MELO, Demian Bezerra de (org.). A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MELO, Demian. “O Golpe de 1964 e meio século de controvérsias: o estado atual da questão”. História & Luta de Classes, nº 17, Março 2014.

MENDONÇA, Sonia Regina de e FONTES, Virginia Maria. História do Brasil recente: 1964-1992. São Paulo: Ática, 2004.

MONTEIRO, Juliana Santos. “Fundacentro: Função social da política sobre acidentes de trabalho no período ditatorial brasileiro (1966-1976)”. (Dissertação de Mestrado em História Social na PUC-SP, 2013).

NEGRO, Antonio Luigi. Linhas de montagem: o industrialismo nacional-desenvolvimentista e a sindicalização dos trabalhadores. São Paulo: Boitempo, 2004.

PRADO, Luiz Carlos Delorme; EARP, Fábio Sá. “O ‘milagre’ brasileiro: crescimento acelerado,

integração internacional e concentração de renda (1967-1973)”. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (orgs.). O Brasil republicano: regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. V. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

REZENDE, Vinicius de. “‘Tinha que ser macho’: as condições de trabalho e as disputas em torno do adicional de insalubridade no setor coureiro-calçadista de Franca – SP”. In: ANAIS DO XXVII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, NATAL, 2013.

RIBEIRO, Herval Pina; LACAZ, Francisco A. de Castro. De que adoecem e morrem os trabalhadores. São Paulo: DIESAT, 1985.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. “Crise da ditadura militar e o processo de abertura política no Brasil, 1974-1985”. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O Brasil Republicano: o tempo da experiência democrática. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SINGER, Paul. A crise do “milagre”: interpretação crítica da economia brasileira. 8ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

TAKAHASHI, Mara Alice Batista Conti e CANESQUI, Ana Maria. “Pesquisa avaliativa em reabilitação profissional: a efetividade de um serviço em desconstrução”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro: 19(5): 1473-1483, set-out. 2003.

VIANA, Nildo. “Acumulação Capitalista e Golpe de 1964”. História & Luta de Classes, Ano 1, Nº 1. Rio de Janeiro, 2005.

VILELA, Rodolfo Andrade Gouveia, IGUTI, Aparecida Maria e ALMEIDA, Ildeberto Muniz. “Culpa da vítima: um modelo para perpetuar a impunidade dos acidentes de trabalho”. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, n. 20, v.2, mar.-abr. 2004.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-9222.2015v7n13p151

Directory of Open Access Journals

 

 

Home

 

 LATINDEX


 

 

 

 

 

 

capes