Africanos e afrodescendentes nas origens do Brasil: raças, relações raciais e culturas negras no II Congresso Afro-Brasileiro de Salvador (1937)

Sarah Calvi Amaral Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir duas comunicações apresentadas ao II Congresso Afro-Brasileiro de Salvador (1937), atentando para os lugares sociais atribuídos a brancos, negros e mestiços nessas interpretações sobre a formação histórica, social e cultural do Brasil. Ocorrido no contexto da conformação do campo de estudos africanos e de relações raciais, o evento contou com a participação de inúmeros intelectuais brasileiros e estrangeiros. Dentre eles, estavam Arthur Ramos e Dante de Laytano, autores dos textos a serem aqui analisados com base em noções de raça e categorias correlatas instrumentalizadas pelos mesmos. Tal abordagem se dará através da remontagem parcial de redes de relações domésticas e transnacionais estabelecidas por Ramos e Laytano, bem como por meio de elementos de suas trajetórias intelectuais e profissionais.


Palavras-chave


Intelectuais; Raça; Formação do Brasil

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares de. “Dilemas da institucionalização das Ciências Sociais no Rio de Janeiro”. In: MICELI, Sérgio (org.). História das Ciências Sociais no Brasil. v.1. São Paulo: Sumaré/IDESP/FAPESP, 2001.

BACELAR, Jeferson. “O legado da Escola Baiana. Para uma Antropologia da reafricanização dos costumes”. In: _________. A hierarquia das raças: negros e brancos em Salvador. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

BACELAR, Jeferson. “Donald Pierson e os Brancos e Pretos na Bahia”. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 3, n. 7, outubro de 1997.

BARCELLOS, Daisy M. “Dante de Laytano e o folclore no Rio Grande do Sul”. Horizontes

Antropológicos, Porto Alegre, ano 3, n.7, out. 1997.

BOAS, Franz. (1896). “As limitações do método comparativo da antropologia”. In: CASTRO, Celso (org.). Franz Boas: Antropologia Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2007.

BOURDIEU, Pierre. “A identidade e a representação. Elementos para uma reflexão crítica sobre a ideia de região”. [1984]. In: O poder simbólico. Rio de Janeiro/Lisboa: Diefel, 1989.

BRITO, Luciana Cruz. “Impressões norte-americanas sobre escravidão, abolição e relações raciais no Brasil escravista”. (Tese de doutorado em História Social, Universidade de São Paulo, 2014).

CARNEIRO, Edison; FERRAZ, Aydano do Couto; GUIMARÃES, Reginaldo. “Palavras inaugurais do Congresso Afro-Brasileiro da Bahia”. In: Congresso Afro-Brasileiro (2: 1937: Salvador, BA). O negro no Brasil: trabalhos apresentados ao 2° Congresso Afro-Brasileiro. Coleção Biblioteca de Divulgação Científica, v. XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1940.

CEZAR, Temístocles. “Como deveria ser escrita a história do Brasil no século XIX. Ensaio de história intelectual”. In: PESAVENTO, Sandra Jatahy. (org.). História Cultural: Experiências de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

CORADINI, Odaci L. “As missões da ‘cultura’ e da ‘política’: confrontos e reconversões de elites culturais e políticas no Rio Grande do Sul (1920-1960)”. Estudos Históricos, n. 32, 2003.

CORRÊA, Mariza. As ilusões da liberdade: a Escola Nina Rodrigues e a Antropologia no Brasil. Bragança Paulista: EDUSF, 1998.

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas Ciências Sociais. São Carlos: EDUSC, 2005.

DUARTE, Luiz Fernando Dias. “Arthur Ramos, Antropologia e Psicanálise no Brasil”. In: Anais da Biblioteca Nacional: Seminário: Diários do Campo: Arthur Ramos, os Antropólogos e as Antropologias. v. 119, [1999]. Rio de Janeiro: A Biblioteca, 2004.

HERSKOVITS, Melville. “Deuses africanos e santos católicos nas crenças do negro no Novo Mundo”. In: Congresso Afro-Brasileiro (2: 1937: Salvador, BA).

FERREIRA, Antônio Celso. A epopeia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica

(1870-1940). São Paulo: Editora UNESP, 2002.

FREYRE, Gilberto. “O que foi o 1° Congresso Afro-Brasileiro do Recife”. In: GILBERTO FREYRE E OUTROS Novos Estudos Afro-Brasileiros. Trabalhos apresentados ao 1° Congresso Afro-Brasileiro realizado no Recife, em 1934. (2° volume). Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Massangana, 1988. Edição fac-similar.

GOULART, Jorge S. A Formação do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Martim Livreiro/Caxias do Sul: EDUCS, 1985.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. “Africanismo e democracia racial: a correspondência entre Herskovits e Arthur Ramos (1935-1949)”. Texto em versão preliminar. http://disciplinas.stoa.usp.br/pluginfile.php/271096/mod_resource/content/1/Africanismo%20e%20democracia%20racial.pdf. Acessado em 19/06/2015.

GUIMARÃES, Lúcia Paschoal. Da Escola Palatina ao Silogeu: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1889-1938). Rio de Janeiro: Museu da República, 2007.

LAYTANO, Dante de. História da República Rio-Grandense (1835-1845). Porto Alegre: Sulina, 1983.

LAYTANO, Dante de. “Os africanismos do Dialeto Gaúcho”. Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul – II Trimestre do Ano XVI. Porto Alegre, 1936.

LAZZARI, Alexandre. “Entre a grande e a pequena pátria: literatos, identidade gaúcha e nacionalidade (1860-1910)”. (Tese de doutorado em História, Universidade Estadual de Campinas, 2004.

L’ESTOILE, Benôit de; NEIBURG, Federico; SIGAUD, Lygia. “Antropologia, impérios e estados nacionais: uma abordagem comparativa”. In: L’ESTOILE; NEIBURG; SIGAUD. Antropologia, Impérios e Estados nacionais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

MARTÍNEZ-ECHAZÁBAL, Lourdes. “O Culturalismo dos Anos 30 no Brasil e na América Latina: Deslocamento Retórico ou Mudança Conceitual?”. In: MAIO, Marcos Chor; e SANTOS, Ricardo Ventura. Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz/CCBB, 1996.

MONTEIRO, John. “Caçando com gato: raça, mestiçagem e identidade paulista na obra de Alfredo Ellis Júnior”. Novos estudos/CEBRAP, v. 38, 1994, p. 61-78.

MICELI, Sérgio (org.). História das Ciências Sociais no Brasil. v.1. São Paulo: Sumaré/IDESP/FAPESP, 2001.

NEDEL, Letícia Borges. “Um passado Novo para uma História em Crise: Regionalismo e Folcloristas no Rio Grande do Sul (1948-1965)”. (Tese de doutorado em História, Universidade de Brasília, 2005).

NEDEL, Letícia Borges. “Paisagens da Província: o regionalismo sul-rio-grandense e o Museu Júlio de Castilhos nos anos cinquenta”. (Dissertação de Mestrado em História Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1999).

RAMOS, Arthur. As Culturas Negras no Novo Mundo: Negro Brasileiro III. v. 249. 2ª ed. Brasiliana. São Paulo: Editora Nacional, 1946.

RAMOS, Arthur. “Culturas Negras: problemas de aculturação no Brasil”. In: O negro no Brasil

RAMOS, Arthur. O negro brasileiro: etnografia religiosa. v. 1. [1940]. Rio de Janeiro: Graphia, 2001.

SANSONE, Lívio. Negritude sem etnicidade. Salvador: EDUFBA/PALLAS, 2007.

SANSONE, Lívio. “Um campo saturado de tensões: o estudo das relações raciais e das culturas negras no Brasil”. Estudos Afro-Asiáticos, Ano 24, n. 1, 2002.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil: 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SEIGEL, Micol. “Beyond Comparative Method after the Transnational Turn”. Radical History Review, Issue 91, winter, 2005.

SEYFERTH, Giralda. “Construindo a Nação: Hierarquias Raciais e o Papel do Racismo na Política de Imigração e Colonização”. In: MAIO, Marcos C. e SANTOS, Ricardo V. Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/CCBB, 1996.

SILVEIRA, Renato da. “Os selvagens e a massa: papel do racismo científico na montagem da hegemonia ocidental’. Afro-Ásia, n. 23, 1999.

STAUM, Martin. “Nature and Nurture in French Ethnography and Antropology (1859-1914)”. Journal of the History of Ideas, v. 65, n. 3, jul, 2004. p. 493-495.

VIANA, J. F. de Oliveira. Populações Meridionais do Brasil. São Paulo: Paz e Terra [s.d.].

VILHENA, Luis Rodolfo. Projeto e missão: o movimento folclórico brasileiro (1947-1964). Rio de Janeiro: Editora FGV/ Funarte, 1997.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-9222.2015v7n13p193

Directory of Open Access Journals

 

 

Home

 

 LATINDEX


 

 

 

 

 

 

capes