A vida cotidiana da escola expressa um cotidiano? Aproximações ontológicas em debate

Patricia Laura Torriglia, Margareth Feiten Cisne

Resumo


O presente texto, de natureza teórico conceitual, discute, a partir da ontologia crítica, a produção de conhecimento, os processos de conhecer, ensinar e aprender, bem como as bases ontológicas que consolidam tais processos. A partir de nossos estudos baseados na perspectiva do materialismo histórico-dialético – Lukács, Rubinstein Sheptulin e Heller – e do trabalho de formação que viemos desenvolvendo junto ao Grupo de Estudos e Pesquisa em Ontologia Critica – GEPOC, defendemos como premissa preliminar a preexistência do mundo objetivo independente de nossa consciência, o que implica considerá-lo como possuidor de uma base material que o sustenta e permite, por meio dessa materialidade, que é processual e histórica, estabelecer um conhecimento objetivo sobre si, isto é, uma inteligibilidade do mundo. Nesta direção, em um primeiro momento, abordaremos algumas questões sobre o conhecimento e seu processo de apropriação a partir da base supracitada. Posteriormente, aprofundaremos o conceito de cotidiano escolar e de vida cotidiana, seus conteúdos e sua forma de transmissão e apropriação de conhecimentos, e a relação com a didática. Finalizaremos apresentando questões que nos possibilitem novas investigações.

 


Palavras-chave


Vida cotidiana; Apropriação do conhecimento; Ontologia crítica

Texto completo:

PDFA


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2017v35n3p996



Direitos autorais 2018 Patricia Laura Torriglia, Margareth Feiten Cisne

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN print 0102-5473, ISSN 2175-795X.

Recomendamos o uso do browser Firefox_Mozilla como navegador do portal .

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.