"O Relógio de Ouro”, de Machado De Assis, e suas Traduções para o Inglês: Uma Reflexão sobre a Influência do Capital Cultural

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2022.e81135

Palavras-chave:

Grupo de Pesquisa, Conhecimento, Cineantropometria

Resumo

Este artigo é um relato meio anedótico de uma jornada interpretativa que começou casualmente e foi se aprofundando e adensando à medida que traduções do conto original de Machado de Assis intitulado “O Relógio de Ouro” foram sendo conhecidas e comparadas. Dois termos em particular, “nhonhô” e “Iaiá”, têm diferentes soluções tradutórias que acabam influindo no texto de tal modo a mudar o desfecho do conto e sua interpretação como um todo. Uma constatação de que o conto tem uma versão anterior publicada em formato seriado, ou folhetim, acaba conferindo ainda mais complexidade à rede de interpretações. Em algumas instâncias, fica clara a influência do capital cultural, como proposto por Pierre Bourdieu.

Biografia do Autor

Lenita Maria Rimoli Pisetta, Universidade de São Paulo

Possui mestrado em Linguistica Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (1992) e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (1999). Atualmente é professor livre-docente da Universidade de São Paulo. Realizou pesquisa pós-doutorado em 2008 junto à University of Massachusetts at Amherst, em 2013 no King´s College de Londres e em 2019 na Yale University.Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Tradução, atuando principalmente nos seguintes temas: Tradução, Psicanálise, Tradução e Ética, Tradução Literária e Literatura Brasileira Traduzida para o Inglês.

Referências

Catita, Flávia Barretto Corrêa, “Reescrita do Conto ‘O relógio de ouro’, de Machado de Assis na Passagem do Jornal para o Livro”. Revista da Abralin, 16.3(2017): 101-117. 17 abr 2021. Disponível em: https://revista.abralin.org/index.php/abralin/article/view/441

Caldas Aulete, Francisco J.; Valente, Antônio Lopes dos Santos. IDicionário Aulete. Lexikon Editora Digital. Web 20 abr 2021. https://aulete.com.br/site.php?mdl=aulete_digital

Esteves, Lenita; Aubert, Francis. “’Shakespeare in the Bush’: História e Tradução”. Tradução e Comunicação. 17(2008): 135-158. Portal de Periódicos Kroton.16 abr 2021. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com/index.php/traducom/article/view/2103.

Gouanvic, Jean-Marc. “A Bourdieusian Theory of Translation, or the Coincidence of Practical Instances. Field, ‘Habitus’, Capital and ‘Illusio’. The Translator. 11.2 (2005):147-166.

Houaiss, Antônio. Grande Dicionário Houaiss online. Web 10 abr 2021. https://houaiss.uol.com.br/pub/apps/www/v3-3/html/index.php#0.

Inghilleri, Moira. “The Sociology of Bourdieu and the Construction of the “Object” in Translation and Interpretation Studies. The Translator. 11.2(2005): 125-145.

Machado de Assis, Joaquim Maria. “O Relógio de Ouro”. Histórias da Meia Noite. Coleção Obra Completa, de Machado de Assis, vol. II. Nova Aguilar, Rio de Janeiro, 1994. (Publicado originalmente pela Editora Garnier, Rio de Janeiro, 1873. Web. 12 abr 2021 http://machado.mec.gov.br/index.php?option=com_k2&view=itemlist&layout=category&task=category&id=24&order=year&searchword=&Itemid=668

Machado de Assis, Joaquim Maria. “The Gold Watch”. The Collected Stories of Machado de Assis, traduzido por Margaret Jull-Costa e Robin Patterson. New York/London: Liveright Publishing Corporation, 2018, 283-290.

Rocha, João Cezar de Castro. Machado de Assis: Toward a Poetics of Emulation. Trans. Flora Thomson-DeVeaux. East Lansing, MI: Michigan State University Press, 2015.

Swartz, David. Culture & power, the sociology of Pierre Bourdieu. Chicago/London: The University of Chicago Press, 1997.

Thomson-DeVeaux, Flora. “Review of The Collected Stories of Machado De Assis, Translated by Margaret Jull-Costa and Robin Patterson”. Machado de Assis em Linha 12.28 (2019): 78-86.

Downloads

Publicado

2022-05-03

Edição

Seção

Artigos