Festas populares e associativismo negro em São Luís do Maranhão (1885-1920)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-9222.2023.e95474

Palavras-chave:

Bumba meu boi, Associativismo negro, Irmandades religiosas, Mundos do trabalho

Resumo

Este artigo apresenta uma ana?lise sobre a experie?ncia dos sujeitos sociais do bumba meu boi a partir de uma abordagem que considera a manifestac?a?o cultural como uma forma de associativismo negro. Considera-se que os cordo?es de bumba se constitui?am como espac?os importantes de compartilhamento de experie?ncias, de luta e de busca pela cidadania, assim como de lazer e de expressa?o de religiosidades. A partir do entrecruzamento das fontes disponi?veis, demonstraremos como esses homens e mulheres se organizavam e se articulavam entre si, dentro do seu campo de possibilidades, no a?mbito da pro?pria brincadeira, assim como estabeleciam relac?o?es em outros espac?os associativos.

Biografia do Autor

CAROLINA MARTINS, Universidade Estadual do Maranhão.

Doutora e Mestra em História Social pelo Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense – PPGH/UFF; graduada em História pela Universidade Federal Fluminense; Membro do GPMINA/UFMA (Grupo de Pesquisa Religião e Cultura Popular) e do CULTNA/UFF (Cultura Negra no Atlântico).  

Referências

ABREU, Martha; GOMES, Ângela de Castro. A nova “Velha” República: um pouco de história e historiografia. Vol. 13, N. 26, 2009.

ARANTES, Erica Bastos. O Porto Negro: trabalho, cultura e associativismo dos trabalhadores portuários do Rio de Janeiro na virada do XIX para o XX. Tese (Doutorado em História). Instituto de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, UFF, 2010.

BASTOS, Maria José. O Maranhão de Outrora. Rio de Janeiro, Rodrigues, 1942.

BRASIL, Eric. Carnavais atlânticos: cidadania e cultura negra no pós-Abolição. Rio de Janeiro e Port-of-Spain,Trinidad (1838-1920). Tese (Doutorado em História). Instituto de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, UFF, 2010.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. Não tá sopa: sambas e sambistas no Rio de Janeiro de 1890 a 1930. Campinas: Ed. Unicamp, 2016.

DOMINGUES, Petrônio. O “Campeão do Centenário”: raça e nação no futebol paulista. História Unisinos 19(3):368-376, Setembro/Dezembro 2015.

DOMINGUES, Petrônio. Associativismo Negro. In: GOMES, Flávio. Schwarcz, Lilia. Dicionário da Escravidão e da Liberdade. São Paulo: Cia das Letras, 2018

GATO, Matheus. O massacre dos libertos: sobre raça e república no Brasil (1888-1889). São Paulo: Perspectiva, 2020.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Os anjos da meia noite: trabalhadores, lazer e direitos no Rio de Janeiro da Primeira República. Revista Tempo, n. 19. Vol 35, 2013.

PEREIRA, 1979, p. 22 apud FERRETTI, Sérgio. Querebentã de Zomadônu: etnografia da Casa das Minas do Maranhão. Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

PRADO, Regina. Todo ano tem: as festas na estrutura social camponesa. Edufma: São Luís, 2007.

THOMPSON, E. P. Costumes em Comum. Estudos sobre cultura popular tradicional. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. O Ethos Mutualista. In: MACCORD, Marcelo; BATALHA, Cláudio. Organizar e proteger: trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

VERGER, Pierre. Uma rainha africana mãe de Santo em São Luís. Revista USP. Julho/Julho/Agosto 1990.

Downloads

Publicado

2023-10-10

Como Citar

MARTINS, CAROLINA. Festas populares e associativismo negro em São Luís do Maranhão (1885-1920). Revista Mundos do Trabalho, Florianópolis, v. 15, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5007/1984-9222.2023.e95474. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/95474. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: Relações raciais e racismo nos mundos do trabalho

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.